Pular para o conteúdo principal

Deus mesmo, quando vier ao Brasil, que venha armado



armado/http://www.anf.org.br/deus-mesmo-quando-vier-ao-brasil-que-venha-armado/

                    Clarice Lispector tem um texto belíssimo que fala sobre as vantagens de ser bobo. O bobo que ao se tornar “o ignorado” – consegue levar a vida com aquela dose de sonho e crença no mundo. “Ignoscere” é um verbo em latim que significa “não conhecer”. A ignorância pode ser tomada aqui – nessa origem, como sinônimo do “se não conheço, desconheço e não reconheço”. Seria então o desconhecimento voluntário do que não reconheço. E se algo diz muito perto à esta ignorância é a nossa conhecida não–compreensão da alteridade, que existe um outro além de mim. Se não conhecemos não compreendemos, se não compreendemos não podemos ver. Daí a distopia que tanto nos atinge ultimamente. Em tempos de distopia cresce a dureza sem ternura que leva à incompreensão, à “indiferença” e leva à banalidade do mal.
                      Viver é o nosso primeiro direito humano. E já disse a Elisa Lucinda que “a vida não tem ensaio”. É esta a que temos. Nosso direito. Com Elisa concordo e me alongo no exercício de pensar sobre os nossos dias sombrios, dias de inércia total e de pulsão de morte. A dor e o luto são coletivos e quem não os compreender que atire a primeira pedra. É fácil atirar. Isso sim, uma bobagem. Porque quem atira pedras atira em qualquer direção e tem gente que vai atirando até cair, atirando para todos os lados – até o fim, como quem morre e mata em grande agonia. Aquele pessoal que quer vencer pelo berro, pela hipocrisia e pelo verniz da superioridade.
                    A bobice, eu acredito, pode ser adquirida ainda em tenra infância. Na minha época de escola, por exemplo, eu era aquela garotinha que levava a equipe nas costas e fazia o trabalho sozinha. Vocês devem conhecer uma figura assim ou podem ser uma figura assim. Algo que – poderia passar simplesmente como um gesto de bobice, de solidariedade – passa a ser confundido então com “o ser otário”. E sabe aquele doce de padaria que atrai um monte de moscas, aquelas famintas a fim de levar sua lasquinha? Este é o bobo – ou “otário”.
                 Pois bem, o bobo é assim, atrai os “espertos” com seus badulaques, espelhinhos e seus monopólios de consumos e ideologias. O hipócrita que vomita dez frases de efeito poderá ser visto como um sujeito genial. As mídias são invadidas por políticos de ocasião que mal se sustentam nas pernas de suas tolas palavras e medidas, fazendo uma mistura de chanchada e terror, filme B regado à mentira, canalhice, nepotismo e “toma lá, dá cá”. As artimanhas de sempre, as bélicas – as que matam. Bobos – não costumam sobreviver por muito tempo nessas velhas estruturas em metástase, são logo expulsos como corpos estranhos. E passam a viver em exílio na própria terra, como acontece em períodos ditatoriais.
              Bobo sim era Jesus Cristo. Disse Clarice. Acreditava no perdão. Acreditava na humanidade. Minha avó – que era boba e vivida – dizia que se ele voltasse, o crucificariam de novo na mesma cruz. Eu sei que tem gente por aí que ia querer dar umas boas chibatadas até em Cristo. Tem uma lista deles na fila de espera. Uma quadrilha de assassinos de possibilidades, de aniquiladores dos afetos. Gente má. Gente que não perde a chance de puxar um tapete, de fazer vilanias, de espelhar e espalhar crueldade por onde passa, distribuindo ofensas preconceituosas, pragas de maldição, profecias e outros bichos mais. E vão gritar nos ouvidos das minorias, das crianças e daqueles que “parecem” indefesos. Haja veneno explodindo!
            Como sobreviver à figura do vampiro que se intensifica e se fortalece diante de nós, no nosso imaginário? Estamos no tempo da pergunta. Não à toa “o vampirismo” se torna hoje a representação mais recorrente daquele que nos rouba “a energia”, basta ver os tantos roteiros cinematográficos que se valem deste mote ou ainda os que retratam sociedades de zumbis, de mortos–vivos em cenários catastróficos de absoluta destruição. O mundo anda doente e o imaginário salta das telas dos cinemas.
            Nenhuma metáfora talvez sirva melhor do que a do vampiro e seu apetite voraz, este tipo de ser que vive à sombra, nas trevas – sem deixar emergir o que há de solar de uma terra, um país, um povo. Aquele ser que fica à espreita, observando o menor descuido, para abocanhar a carne, a alma, a aposentadoria, a sorte e a vida de muita gente honesta e trabalhadora. E os seguidores do vampiro vêm correndo atrás, na maior sanha de ambição desmedida e aproveitam para jogar um tanto sal no território e matar qualquer intenção de luta, qualquer fertilidade possível de outra narrativa. São predadores, por isso precisamos ainda mais proteger as nossas criaturas e as nossas criações, as artísticas, as culturais – as humanas. Até porque eles estão por aí – em muitos lugares, nas melhores – e nas piores famílias. Entram pelos gabinetes e repartições levando – cada qual – uma corja de pequenos seres rastejantes ao redor. Vampirescos, dantescos… Dante, por sinal, nem poderia ter projetado este quadro do inferno que é a capital dos nossos dias.
                Não, não estamos perdidos – ainda. Eu sinto que a mesma realidade que nos afasta da esperança e de qualquer confiança no futuro será o motor que nos levará de volta para elas. Mas, por enquanto, é preciso ir para o combate acompanhado de banho de ervas, muita chuva de pipoca, água benta e estaca. Não creio em bruxas – “pero que las hay las hay”. Lembrando Grande Sertão – Veredas: “Sertão é onde manda quem é forte, com as astúcias. Deus mesmo, quando vier, que venha armado!”

Patricia Porto

Postagens mais visitadas deste blog

Era uma vez o livro proibido pelo MEC...

Era uma vez o livro proibido pelo MEC
Quando li a notícia de que o Ministério da Educação (MEC), através de ofício, ordenou o recolhimento de noventa e três mil exemplares do livro infantil “Enquanto o sono não vem”, de José Mauro Brant, quem perdeu o sono fui eu. Lembrando que o livro faz parte do Programa de Alfabetização na Idade Certa (Pnaic), programa voltado para alunos das séries iniciais das escolas públicas. Pergunto então: como é possível que uma obra baseada nas histórias orais da cultura brasileira possa ofender tanto? Será que os técnicos do ministério não entenderam que há neste ato uma atitude altamente repressiva? E o que há por trás desta determinação tão autoritária?
A confusão começou quando educadores muito preocupados entenderam que o conto “A triste história de Eredegalda” fazia referência a incesto, um tema por demais complexo para ser comentado com crianças pequenas. Claro. Mas, espera aí… Só para citar dois, pois receio que terão que proibir também Chapeuzinho…

Peça de Teatro - Educação Infantil.

CELESTE E A BRUXA DOS DENTES






Personagens: Celeste, a Bruxa dos Dentes, o dente, o dentista, a escova de dentes, a pasta de dente, o fio dental e a lixeira. Cenário: sala de aula. 


Celeste - Olá crianças! Eu me chamo Celeste! C- Bom dia! C- Vou me apresentar pra vocês! C – Posso ser amiga de vocês? C – Eu hoje vou falar sobre higiene. C – E aí? Alguém sabe? C- Higiene também é tomar banho, lavar as mãos, escovar os dentes, passar o fio dental... Quem sabe o que é fio dental? Fio dental é o fio que a gente passa entre os dentinhos pra ajudar na escovação. Aí é que eles ficam realmente bem limpinhos. O dente – Oi gente, eu sou o dente! (crianças do 5º ano) C- Agora eu vou mostrar pra vocês os amigos da higiene dental. O dentista – Oi, eu sou o dentista! (crianças do 5º ano) A escova dente – Oi, eu sou a escova de dente. (crianças do 5º ano) A pasta de dente – Oi, eu sou a pasta de dente. (crianças do 5º ano) O fio dental – Oi, eu sou o fio dental.  (crianças do 5º ano) A lixeira – Oi  amiguinho…

LEITURA: Projeto Educação Ambiental.

PÚBLICO-ALVO: Alunos da Educação Infantil e do 1º Segmento do Ensino Fundamental JUSTIFICATIVA:  Educação Ambiental deve buscar valores que conduzam a uma convivência harmoniosa com o ambiente e as demais espécies que habitam o planeta, auxiliando o aluno a analisar criticamente o princípio antropocêntrico, que tem levado à destruição inconseqüente dos recursos naturais e de várias espécies.              A conscientização ambiental é de fundamental importância e precisa começar desde a infância. A escola exerce um papel vital neste processo, incutindo nas crianças e adolescentes a consciência de que é preciso preservar o ambiente em que vivemos.              Na intenção de reforçar cada vez mais entre os alunos a consciência de preservação ao meio ambiente, desenvolvemos este projeto que visa estimular esse exercício de cidadania, promovendo a leitura em suas diversidades textuais, focando o tema Meio Ambiente e Reciclagem.             Partindo de uma leitura crítica e dinâmica da rea…